Ué, por que as mulheres não podem caçar fantasmas?

Lembro no ano passado, dias depois do lançamento do espetacular “Mad Max: Estrada da Fúria” (link para nossa resenha no Buda: http://www.rockandhonda.com.br/blog-do-buda/mad-max), que ganhou 6 Oscars, geral curtiu o filme, mas tinha alguma coisa que incomodava a muitos: a troca de protagonismo na história em que a Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) roubava todas as cenas e “brigava” com Max de igual pra igual. Escutei até gente falando que não gostou do filme porque Max é um “personagem-escada”, não tem tanta importância... Bom, cada um com suas expectativas, não é mesmo?

E aí lançaram o episódio VII de “Star Wars” no final de 2015 e o mesmo mimimi ganharam as redes sociais e os fóruns de discussão. “Onde já se viu UMA MENINA derrotar o vilão Kylo Ren e ser a próxima Jedi?”, vociferavam os geeks mais ardorosos.

Sei lá até que ponto vai a fragilidade masculina, essa sensação de inferioridade que muitos caras têm quando se veem abaixo das mulheres, como se filmes de ação/aventura/sci-fi sempre precisam ter um cara à frente da trama. Santa bobagem! Tenente Ripley, Sarah Connor, Clarice Starling e tantas outras personagens femininas estão aí pra mostrar que mulheres também podem (e devem) liderar produções desses gêneros e entregar filmaços.

Cena do filme 'Caça-fantasmas' (Foto: Divulgação)

Cena do filme 'Caça-fantasmas' (Foto: Divulgação)

A última “vítima” da vez foi a versão com mulheres do clássico oitentista “Caça-Fantasmas”, que fez a infância de muitos leitores, aposto. Aí começaram os boicotes infundados, com o trailer mais reprovado da história do YouTube, nota baixa no IMDb sendo que nem assistiram ao filme ainda, etc. E tudo por quê? Porque agora são mulheres que vão caçar os fantasmas. Só por isso. Não é porque será feito uma refilmagem e no que é bom não se mexe, é porque farão uma refilmagem + com mulheres! Tem cara que se sentiu desrespeitado hahaha.

E foi aí que quebraram o cara. A crítica adorou o filme. No site Rotten Tomatoes, que reúne os principais críticos de cinema dos Estados Unidos, “Caça-Fantasmas” está com 78% de aprovação. Era de se esperar também, pois reuniram um elenco com as melhores comediantes da gringa e o diretor é o Paul Feig, um especialista em dirigir atrizes em comédias de sucesso, como “Missão Madrinha de Casamento” (2011) e “A Espiã que Sabia De Menos” (2015).

O Buda assistiu ao filme e curtiu muito. Justiça seja feita, o original de 1984 é bem melhor, mas essa nova versão dá um pau na sequência lançada em 1989, que ficou bem fraquinha. Quem quiser tirar a prova real, “Caça-Fantasmas 2” está disponível no catálogo da Netflix.

Então, a dica do Buda é: largue de preconceito e vá assistir a nova releitura de “Caça-Fantasmas”. Vale o ingresso!