Lisergia Fest fritou Maringá no último fim de semana

“A música psicodélica te dá mais liberdade, entrando em uma sequência de loopings, você consegue levar a música pelo tempo que quiser. Nos show nós fazemos muito isso, extendendo as faixas, misturando uma na outra, até que a ideia acaba sendo uma viagem só, como se o som não tivesse início nem fim”, explica Julito Cavalcanti, da banda BIKE, atração paulista de rock psicodélico que visitou o interior do Paraná nesse último fim de semana.

Banda BIKE

Em resumo, pode-se dizer que quando a música sai da caixa, a viagem vai longe. O mesmo acontece com a mente. Quanto mais informações sensoriais, fora do conceito padrão de aprendizado, conseguimos ter, mais parece que as ideias se abrem e o mundo vai junto com elas. Essa é a ideia de trabalhar a música em associação com a mistura de sentidos, despertar a pessoa para sua própria vibração. O rock, em especial, tem trabalhado com isso há muito tempo.

Como uma viagem aos tempos em que a loucura começou, o Lisergia Fest chegou unindo três bandas que dominam essa arte: Os paulistas do BIKE e os dois grupos maringaenses, Montanas Trio e Stolen Byrds. A união, apesar de inédita, tem história, os músicos das três bandas já dividiram palcos em outros carnavais (muito mais lisérgicos do que carnavalescos de fato) e cumpriram a promessa de uma parceria alucinante. “Apesar das bandas não terem uma sonoridade exatamente igual, todas remetem ao que rolou na década de 60, 70, esse clima de festival, com várias bandas”, explica Julito.

O músico já esteve em Maringá esse ano com o Macaco Bong, com quem também produz, e agora volta com BIKE lançando o álbum 1943 - ó, ano abençoado! - que trabalha com uma pegada de lisergia suave e deliciosa, misturando letras cheias de devaneios ao derretimento causado pelos arranjos de baixo e guitarra. 

O Lisergia Fest rolou no dia 2 de Outubro, no Tribo’s Bar em Maringá e a proposta foi tocar até que a lucidez saia da casinha e vá viajar por aí. Além do BIKE, as bandas da casa, Montanas Trio e Stolen Byrds, voltaram ao palco, respectivamente de uma turnê e da gravação de um novo disco, e trouxeram novas experiências sonoras envolvendo o público. Quem não foi, não transcendeu. E quem foi, logo menos consegue voltar para o corpo e iniciar a semana com os pés no chão.