Frio, feriadão e Netflix: confira as sugestões do Buda

Feriado prolongado (pra alguns, pelo menos) tá aí e com esse clima ameno, esse friozinho durando semanas não há programa melhor do que ficar debaixo das cobertas, assistindo o que tem de bom no catálogo da Netflix. Tá certo, o melhor programa é ir para uma pousada cheia de árvores, comer uns caldos de abóbora cabotiá e tomar um vinho bacana, mas né... fim do mês, minha gente, faça valer esses R$ 20 por mês que você paga na assinatura do aplicativo.

Pensando no seu bem-estar e no seu bolso, peça um delivery no Rock, fique tranquilo em casa e dê play em um desses filmes que o Buda aprova e que está disponível na Netflix. Para abarcar todos os gostos, a lista está dividida por gênero.

 

COMÉDIA

Monty Python à parte, “Quanto Mais Quente Melhor” foi lançado em 1959 e há quem diga que desde então não foi lançado um filme mais engraçado do que a dupla Jack Lemmon e Tony Curtis vestidos de mulher para fugir de uma gangue de criminosos. Humor inspirado e que não envelheceu nada, a produção ainda entrega de brinde a lendária Marilyn Monroe no melhor desempenho da sua carreira – e no auge da beleza também. Pode parar com esse preconceito infundado de “filme antigo” porque muitos dos atuais que você assiste saiu desse aqui.

Se curtir esse, pode gostar também de: “Se Meu Apartamento Falasse”, “Tootsie” e “Harry & Sally – Feitos Um Para o Outro”.

 

DRAMA

Todo mundo tá ligado que para criar um exército fascista hoje em dia não tá muito difícil, não. É isso o que um professor do Ensino Médio na Alemanha provoca em seus alunos no filme “A Onda”. O que era para ser uma demonstração do Nazismo em sala de aula, vira um grupo de adolescentes simpatizantes da ditadura e com ideais fanáticos. O título do filme é como os estudantes batizam o movimento, criam uniformes e até inventam uma saudação ao seu líder. Elenco bacana, roteiro extremamente desafiador, “A Onda” é um baita filme e, por ser baseado em um episódio verídico, é a prova de que os tempos de terror podem voltar a se instalar nos dias atuais.

Se curtir esse, pode gostar também de: “O Grupo Baader Meinhof”, “O Segredo dos Seus Olhos”.

 

TERROR

Gosta de terror psicológico? Aqueles filmes que não chegam com a intenção de dar sustos, porque isso é fácil, qualquer um faz, eu me refiro a títulos que te causam calafrios, aquele arrepio na espinha. Nunca lançado no Brasil, o que é uma vergonha, o terror australiano “The Babadook” é uma excelente pedida para quem gosta do gênero. A história é de uma mãe solteira e seu filho pequeno que começa a ler um livro com um monstro chamado Babadook. E o tal monstro sai das páginas e resolve atormentar a família. O roteiro tem umas sacadas absolutamente geniais e o filme em si pode ser considerado um estudo psiquiátrico dos mais interessantes. 

Se curtir esse, pode gostar também de: “Triângulo do Medo”, “We Are Still Here”.

 

DOCUMENTÁRIO

Não pode faltar documentários, né? Se os cinemas não traz esses filmaços até a gente, ainda bem que tem na Netflix. Dirigido pelo alemão Wim Wenders – mesmo realizador do doc do Sebastião Salgado, “O Sal da Terra” –, “Buena Vista Social Club” é uma obra-prima incontestável. E não só por ser um documentário informativo e imbuído de emoção, não, mas pela sua estrutura narrativa inovadora, o uso da música, etc. Mas o mais bacana é o registro, é ouvir os cubanos compartilharem suas experiências de vida, suas raízes, seu conhecimento... o filme não se apega a nenhuma questão política, preferindo se aprofundar na cultura de um país estigmatizado aos olhos estrangeiros pelo seu sistema. Dê uma chance a “Buena Vista Social Club” e se apaixone.

Se curtir esse, pode gostar também de: “Dominguinhos”, “Mercedes Sosa – A Voz da América Latina”, “Cauby – Começaria Tudo Outra Vez”.

 

AÇÃO/SUSPENSE

Para quem já assistiu a série “Breaking Bad” pode chegar ao fim de “Sicario” e falar “ok, já vi isso antes”. Mas isso não tira os méritos desse ótimo thriller de ação, que coloca uma agente do FBI como isca para pegar os narcotraficantes na fronteira do México com os Estados Unidos. Indicado a 3 Oscar, “Sicario – Terra de Ninguém” é um filme que mantém a atmosfera de tensão em estado constante e ganha força por ser bastante realista. E o elenco é extraordinário, com destaque para Benicio del Toro em um desempenho de tirar o chapéu. Tudo que esse cara faz fica bom, né, elogiá-lo é chover no molhado.

Se curtir esse, pode gostar também de: “A Hora Mais Escura”, “Cartel Land” (documentário), “Narcos” (série)